Publicações

Nanopartículas de Dióxido de Titânio

Chemyunion Ltda e Instituto de Química, Universidade de São Paulo

O banho de sol é fundamental para a produção de vitamin D e a manutenção da saúde física e mental, mas a exposição excessiva pode provocar o aparecimento de queimaduras, manchas e em casos mais graves câncer de pele. De fato, em países apresentando grande incidência solar, principalmente de radiação UVA-UVB, e/ou uma cultura que favorece a excessiva exposição solar, tem-se verificado incidência significativa de melanoma. De fato, o câncer de pele é o mais frequente no Brasil, correspondendo a cerca de 25% de todos os tumores malignos registrados no Instituto Nacional do Câncer, INCA. Mas, situação similar foi reportada em outros locais do globo como na Inglaterra, onde o melanoma maligno foi o quinto tipo de câncer mais frequente em 2014. Por outro lado, estima-se que 66% dos australianos irão apresentar algum tipo de câncer de pele até os 70 anos, segundo dados do Conselho de Câncer Australiano.

Dentre os protetores solares, o dióxido de titânio é um dos mais largamente utilizados tendo-se em vista sua alta eficiência e estabilidade aliadas a baixa toxicidade.  De fato, sua utilização é aprovada globalmente e está presente em mais de 25% dos produtos que oferecem proteção solar, particularmente em produtos infantis e produtos para peles sensíveis devido ao baixo risco de irritação quando comparado à outras substâncias fotoprotetoras. Porém, tendem a apresentar um sensorial bastante desagradável devido a formação de um filme branco e pegajoso na superfície da pele, fazendo com que os usuários apliquem menos protetor solar do que o necessário para apresentar eficácia.

Porém, o segmento de proteção solar carece de inovações em especial pelas dificuldades encontradas no desenvolvimento de materiais apresentando propriedades adequadas para aplicação como protetores solares. Neste projeto visamos o desenvolvimento e a produção em escala piloto de nanopartículas de dióxido de titânio, totalmente dispersáveis em formulações cosméticas, gerando produtos seguros e eficientes, mais transparentes e com sensorial melhorado. Tais características serão verificadas e monitoradas por meio de ensaios específicos realizados nos laboratórios da Chemyunion ou de empresas parceiras, obedecendo as rígidas normas e boas práticas, de modo a garantir a alta qualidade dos produtos gerados. Em suma, os materiais desenvolvidos neste projeto irão contribuir para melhorar a saúde e o bem-estar, aumentando a qualidade de vida da população, além de contribuir para aumentar a competitividade dos produtos brasileiros.

Responsáveis:

Prof. Dr. Marcelo N.P. Carreño (Coordenador), Escola Politécnica, USP

Prof. Dr. Koiti Araki, Istituto de Química, USP

Dr. Cesar F. Amorim, EMG System do Brasil Ltda.


Voltar

Categorias

Veja também

Nanotecnologia como plataforma de inovação

Quer aplicar a nanotecnologia em novas soluções para o mercado? No programa SibratecNANO, você pode desenvolver esta inovação em parceria…

Leia mais

Oportunidade – Programa para Concessão de Bônus Tecnológico e Bolsas para Inovação em Manufatura Avançada

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações…

Leia mais

PANNANO REÚNE INSTITUIÇÕES NACIONAIS E INTERNACIONAIS DE NANOTECNOLOGIA

A primeira edição da Pannano, Conferência Pan-Americana de Nanotecnologia, começou hoje, dia 27, e vai até 30 de novembro. Com…

Leia mais