Publicações

SibratecNano abre edital para propostas até dia o 29

Até o dia 29 de janeiro, estão abertas as inscrições para o 4º ciclo de avaliações de projetos direcionados à criação de produtos e processos nanotecnológicos, com foco no mercado e na geração de valor para negócios e sociedade. O edital publicado pelo Sistema Brasileiro de Tecnologia/Centro de Inovação em Nanotecnologia (SibratecNano) é voltado especialmente para as micro e pequenas empresas (MPEs), que devem apresentar um orçamento indicativo entre R$ 100 mil e R$ 400 mil para aporte a ser realizado pelo SibratecNano. As áreas de interesse são:
Centro de Inovação em Nanomateriais e Nanocompósitos e Centro de Inovação em Nanodispositivos e Nanosensores.

O SibratecNano funciona com recurso do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), e execução da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep). O programa articula e financia projetos cooperativos entre empresas e os pesquisadores dos Institutos de Ciência e Tecnologia (ICTs) que compõem o Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologias (SisNano), também vinculado ao governo federal. Juntas, essas instituições formam um grupo que cria oportunidades de apoio ao desenvolvimento tecnológico e ao potencial inovador de empreendimentos nacionais de todos os portes, especialmente as microempresas, por meio de soluções nanotecnológicas.

Em Minas Gerais, três laboratórios estão credenciados. Na área de Nanomateriais e Nanocompósitos, Laboratório Associado de Desenvolvimento e Caracterização de Nanodispositivos e Nanomateriais – LANano (Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG), em Belo Horizonte; Nanodispositivos e Nanosensores, Laboratório de Química de Nanoestruturas de Carbono – LQN (Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear / Comissão Nacional de Energia Nuclear – CDTN/CNEN), em Belo Horizonte; e Laboratório Associado SisNano da Universidade Federal de Viçosa – (UFV), em Viçosa, na Zona da Mata.

De acordo com a analista de negócios e parceira da Fundep, Heidi Lein, o edital é destinado a empresas que já tenham conexão com algum dos laboratórios credenciados. O objetivo é aumentar as possibilidades de diálogo entre empresas e centros de pesquisa, contribuindo para que o conhecimento produzido pela academia chegue ao mercado e à população de forma ampla.

“A empresa deve escolher uma rede temática e já ter estabelecido contato com o laboratório que irá trabalhar. O projeto não pode estar em fase ideológica, precisa já ter sido iniciado. Existe um grau mínimo de maturidade do projeto definido no edital”, explica Heidi Lein.

A nanotecnologia é uma das mais recentes fronteiras do desenvolvimento científico. Através dela, com o estudo das partículas em escala nanométrica – igual a um bilionésimo de metro -, cientistas podem manipular e organizar átomo por átomo para fazer combinações e obter estruturas com grau superior de qualidade, eficiência e produtividade. É essa capacidade de criar materiais mais fortes, resistentes e duráveis, que promove progressos em diversas áreas, posicionando a nanotecnologia como uma ciência estratégica para a economia do País. Com a versatilidade dos componentes, as possibilidades de aplicação parecem infinitas: do setor de informática, à agronomia e medicina.

Segundo o pesquisador no Laboratório de Nanoscopia/LabNano – Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN), da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN/MCTIC), Maximiliano Delany Martins, a nanociência trabalha com os materiais em escala próxima às moléculas e átomos. Assim é possível criar ou modificar materiais de acordo com necessidades específicas.

“Os filtros solares, por exemplo, que há décadas deixavam manchas brancas sobre a pele, hoje são transparentes graças à nanotecnologia. Se um produtor resolver vender o produto feito como antigamente não terá sucesso. Esse é um exemplo simples de como a nanotecnologia chega ao consumidor e transforma produtos e modelos de negócios”, exemplifica Martins.

O professor trabalha LabNano com o projeto “Processo de Modificação de Superfície Aplicado à Titânio para Implantes Osseointegráveis”, já contemplado pelo SibratecNano. O processo resulta na modificação da superfície aplicado a implantes odontológicos de titânio. O material nanoestruturado favorece a osseointegração, ou seja, o processo de fixação entre osso e implante.

“Nesse caso, a tecnologia vai permitir um processo de integração seja mais rápido e fácil em situações de grande desgaste ou de acesso mais difícil. Isso faz com que o processo também se torne mais barato e menos penoso. Aqui a nanotecnologia atua sobre o processo”, pontua o pesquisador.

Iniciativas como o SibratecNano são saudadas como um caminho de fomento e desenvolvimento tanto da ciência como da indústria nacional. “A nanociência é considerada a quinta revolução industrial. De maneira geral ainda há muito espaço para investimento em pesquisa no Brasil.
Esperamos que ações como o SibratecNano aconteçam com frequência. É a oportunidade ideal para juntarmos as empresas que não têm dinheiro e os laboratórios que, muitas vezes, estão distantes das necessidades da sociedade”, comemora o professor.

“Um ponto importante é que os recursos dessa edição já estão em caixa, portanto não serão cortados pelo governo federal. O SibratecNANO funciona em fluxo contínuo. Esperamos ter mais uma edição no segundo semestre, então as empresas já podem ir se preparando. Laboratórios interessados em integrar o Sistema podem entrar em contato com o Ministério”, destaca a analista de negócios da Fundep.

Fonte: Daniela Maciel – Diário do Comércio


Voltar

Categorias

Veja também

Rede SisNano será integrada ao Sibratec para estimular a indústria de nanotecnologia no Brasil

Vários especialistas em nanotecnologia se reuniram nesta semana em Brasília (DF) para debater os rumos do setor no País. E…

Leia mais

Workshop reúne laboratórios de nanotecnologia em Brasília

Encontro busca viabilizar o acesso de empresas e universidades à infraestrutura de pesquisa e desenvolvimento Laboratórios de nanotecnologia ligados a…

Leia mais

Nanopartículas de Dióxido de Titânio

Chemyunion Ltda e Instituto de Química, Universidade de São Paulo O banho de sol é fundamental para a produção de…

Leia mais